terça-feira, 30 de agosto de 2016

Matéria Especial - Projeto Cuidar: Saberes Itinerantes



Por Maria de Lourdes Braz Vieira, Fundadora e Coordenadora do Centro Dia Santa Ana

A Casa de Santa Ana foi criada em 1991, na comunidade da Cidade de Deus, onde implantou dois dos principais modelos de atendimento recomendados pela Lei 8.842 /94 e das diretrizes da Política Nacional do Idoso, são eles, o Centro Dia e o Centro de ConvivênciaPioneira no Brasil nas modalidades citadas, tem como Missão promover saúde e bem-estar integral, prevenindo o asilamento, e o isolamento social dos idosos, integrando-os à família, à comunidade, e em especial às gerações mais jovens, através de 03 programas básicos de atenção:

Prevenção – Saúde integral através de cuidados básicos de higiene, nutrição, e de variadas atividades terapêuticas, educativas e lúdicas, entre outras;
Integração Intergeracional – Encontro de gerações através de atividades educativas, artísticas e culturais, que propiciam transmissão de conhecimentos, descobertas e prática de novas habilidades; fortalece os laços com a comunidade e outras organizações sociais;
Educação - Palestras, oficinas, e cursos de capacitação de cuidadores de idosos com objetivo de informar e sensibilizar a população acerca do envelhecimento, possibilitando também geração de emprego e renda para a população local, e de arredores da Cidade de Deus.

Sobre o Projeto Saberes Itinerantes:
Em 2016, com o apoio do Instituto Rio, a CSA está mobilizando organizações e grupos dentro e fora da Cidade de Deus com objetivo levar informações e sensibilizar o maior número possível de pessoas para questões do envelhecimento. Através de palestras e oficinas praticas, tentamos motivar e oferecer incentivos a criação de novos espaços onde pessoas de todas as idades possam compartilhar informações, e desenvolver atividades que irão fortalecer o cuidado com a pessoa idosa, podendo esta atuar como exemplo de força para modificação da cultura atual sobre o envelhecimento.


      
   Alunos de administração, biologia, enfermagem e psicologia UNISUAM – Campo Grande
     

O Projeto atua com base na Gerontologia - Ciência que estuda o processo de envelhecimento do Homem, nos aspectos biopsicossociais; e na Geriatria - Ciência que estuda as doenças pertinentes aos idosos, e é desenvolvido por uma equipe multidisciplinar que envolve diretamente 03 fisioterapeutas, 01 assistente social, 02 enfermeiros, 01 psicóloga, 01 advogada, 01 tecnóloga em comunicação, entre outros profissionais;  juntos elaboram palestras e oficinas com foco no cuidado e prevenção, que trazem importante material e dicas, utilizando uma linguagem simples a acessível a compreensão de todos que se interessem pelo tema.

A seguir listaremos problemas que são comuns na maioria deles (idoso), e aproveitaremos para dar alguns exemplos de doenças e dicas básicas de sinais, sintomas e tratamentos e de primeiros socorros em casos de: Hemorragia, queimaduras e dor no peito. Esse material foi produzido pela professora Telma de Cacio fisioterapeuta e gerontóloga pela SBGG- Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, ela faz parte da equipe de formadores de cuidadores de idosos.

 Apresentaremos os 05 is da Geriatria
  •       Iatrogenia 
  •     Instabilidade postural
  •     Imobilidade
  •     Incontinência
  •     Insuficiência cerebral




  • Iatrogenia
Procedimento médico ou de quem o ajude na função de cuidar, mesmo com boa intenção, sendo certo ou errado, justificado ou não, que resulta em danos à saúde do idoso.
Pode ocorrer Iatrogenia em um caso de Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), que vulgarmente chamamos de pressão alta.  Esta doença é crônica, determinada por aumento dos níveis de pressão do sangue nas artérias.

Sinais e sintomas: dor de cabeça, mal-estar e vômito;

Tratamento: é controlada por medicamentos

Quando oferecemos água para aliviar o mal-estar na pressão alta, sem sabermos a causa, podemos estar causando uma iatrogenia. “Por quê? ” Porque pode vir a aumentar a pressão pelo aumento da quantidade de líquido dentro do corpo.
             

·         Instabilidade postural   

Apresenta-se como uma alteração do equilíbrio. É importante fator de risco para queda e perda da independência dos idosos.
Ocorre por diversos motivos: tonturas, dores, diminuição da visão, fraqueza...
Pode ser causada pela Artrose que é uma doença crônica das articulações ocasionada por degeneração da cartilagem que recobre pontas de ossos.

Sinais e sintomas: dor, rigidez e deformidades; 

Tratamento: medicamentoso para controlar os sintomas, exercícios orientados e diminuição do peso corporal.                                          



Nesse caso, como pode ocorrer a instabilidade postural?     

Ao tentar andar, o joelho dói e nesse momento o idoso perde o apoio.   

Uma observação: Osteoporose não é o mesmo que artrose.

Osteoporose é o enfraquecimento dos ossos e não da cartilagem. Tanto a artrose quanto a osteoporose poderão levar a uma queda e fratura do fêmur (osso do quadril). O fêmur fraturado geralmente é caso cirúrgico e faz com que o idoso permaneça por algum tempo acamado.


·         Imobilidade

Resulta da diminuição acentuada dos movimentos e da incapacidade da mudança postural, podendo causar vários danos ao corpo como: úlceras de decúbito (escaras), prisão de ventre, falta de ar.
Pode ser causada pela fratura de fêmur, mas também por Acidente Vascular Cerebral (AVC)             




Que é caracterizado pelo entupimento (isquemia) ou rompimento (hemorragia/derrame) de vasos sanguíneos cerebrais.

Sinais e sintomas: desorientação, perda de força em geral de um lado do corpo, dificuldade em falar.

Tratamento: medicamentoso, fisioterapia, terapia ocupacional.
Ao permanecer acamado pelo AVC, o idoso tende naturalmente a diminuir os seus movimentos.



·         Incontinência Urinária (IU)

É a dificuldade de poder controlar a saída de urina (xixi). Ás vezes o idoso quer se isolar para esconder de todos o que acha ser vergonhoso. O desejo de ficar só (isolamento social) é capaz de levar a um quadro de depressão. A IU pode estar presente no idoso com Diabetes Mellitus (DM), que é doença caracterizada pelo aumento da glicose (açúcar) no sangue.

Sinais e sintomas: sede, fome, alteração no peso, poliúria (urina muitas vezes)

Tratamento: medicamentoso, atividade física, dieta orientada.



·         Insuficiência Cerebral (Transtorno Cognitivo/ Demência)

É a perda ou redução progressiva da capacidade de usar a inteligência, de forma parcial ou completa.

Sinais e sintomas: perda da memória, dificuldade na fala, perda da atenção.

Tratamento: medicamentoso, fisioterapia, terapia ocupacional, musicoterapia...

Complicações: isolamento social, suicídio, traumas graves.

Exemplo: A Doença de Alzheimer que é um tipo de demência marcada essencialmente pela perda da memória e as formas mais adequadas de lidar com a agressividade gerada por essa doença é:

Dicas para o familiar/cuidador - É de extrema importância que consiga controlar as situações de ansiedade e agitação dos doentes de Alzheimer, porque estas podem gerar comportamentos cada vez mais agressivos. A agressividade do portador da Doença de Alzheimer pode ser atribuída a múltiplos fatores, como dores, cansaço, remédios e um ambiente exigente.

Veja abaixo 13 dicas sobre como agir em caso de agressividade por parte do doente de Alzheimer:

1) Não enfrente o idoso e nem peça explicações. Também é importante manter a calma e não gritar ou provocar o doente – nem mesmo levantar o seu tom de voz.

2) Adote uma postura empática e receptiva. Dar um sorriso pode ser a melhor forma de evitar uma crise de agressividade.

3) Busque sempre o contato visual e aproxime-se do idoso aos poucos. Também é importante mostra-se solicito, perguntando ao idoso o que está acontecendo e se você pode ajudá-lo de alguma forma. Lembre-se de nunca realizar movimentos bruscos perto do doente, e muito menos tocá-lo sem que ele esteja esperando.

4) Tente antecipar esses quadros de agressividade, estando preparado para lidar com cada situação.

5 ) Não o apresse na realização das atividades do dia a dia, na hora das refeições ou ao escovar os dentes, por exemplo. Isso pode deixá-lo irritado e aborrecido.  

6) Você deve pensar nessas crises de agressividade como frutos da doença. Não fique triste ou irritado com o idoso por causa de seus descontroles, lembre-se de que é o Alzheimer agindo no corpo do doente.

7) Quando o doente estiver nervoso, procure chamar sua atenção para algo que possa acalmá-lo, como o som de uma música da qual ele goste. Retirar o idoso daquele ambiente para dar um passeio também é uma boa opção.

8) Evite cobranças e exigências aos doentes de Alzheimer. Forçá-los a realizar alguma tarefa, por exemplo, pode desencadear um acesso de raiva.

9) Em casos de crises de agressividade, procure desligar todos os estímulos sonoros e visuais, deixando o ambiente tranquilo e calmo para que o doente consiga se recuperar.

10) Sem deixá-lo ainda mais nervoso, procure saber qual o motivo daquela reação tão agressiva – para evitar que esta situação se repita no futuro.

11) Se o idoso estiver muito agressivo, retire do ambiente todos os objetivos pontiagudos e que possam causar algum ferimento – nele mesmo e em você.

12) Evite repreender o doente de forma brusca. Quando possível, procure sempre fazer elogios.

13) Caso as crises de agressividade se tornem frequentes, busque a ajuda de um médico.

Lembre-se sempre: é importante ter calma e compreender a situação.


·         Hemorragia no idoso - O que fazer?

1) Proteja suas mãos. Use luvas ou um saco plástico.

2) Providencie um pano (toalha, roupa, pano de prato, etc.)

3) Coloque o pano sobre a hemorragia e comprima com força. Tente amarrar o pano ao ferimento.

4) Caso não tenha sucesso, use um cinto e faça “garrote”.

Não use fralda descartável, algodão, etc. Não se preocupe em lavar o ferimento.

Chame o corpo de Bombeiros ou leve a vítima ao hospital. Evite que o idoso possa cometer atitudes que podem gerar ferimentos.

·         Queimadura no idoso o que fazer?

1. Proteja suas mãos. Use luvas ou um saco plástico.

2. Lave o local queimado com água. Água corrente! Água da torneira!

Não use água da geladeira e nem gelo.

Não use:

- Pasta de dente
- Ovos
Babosa
- Água sanitária
      - Açúcar

SÓ USE ÁGUA.  LEVE O IDOSO AO HOSPITAL OU CHAME O CORPO DE BOMBEIROS
Evite que o idoso manipule objetos quentes e só use pomadas com orientação médica.


·         Dor no peito o que fazer?

1) Acione o Corpo de Bombeiros. Imediatamente!

2) Acomode o idoso SENTADO. Não o deite. Mantenha diálogo direto.

3) Administre 2 comprimidos de AAS. Não ofereça em caso de suspeita de dengue ou alergia.

4) Caso ele fique inconsciente:

1.       Segure em seus ombros e o chame! Se ele não responder. Veja se ele respira.
2.       Observe por 10 segundos seu tórax e Abdômen.
3.       Se não estiver respirando; exponha seu tórax e massageie entre os mamilos.
4.       Massageie até o socorro chegar
  1. A cada 2 minutos troque o socorrista que estiver fazendo a massagem.




Referências bibliográficas: BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 19).

FREITAS EV, PY L, NERI A L, CANÇADO FAXC, GORZONI ML, DOLL J. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2ª. Edição. Editora Guanabara Koogan, 2007. Plataforma Lattes (CNPq)


http://conaz.com.br - Congresso Nacional de Alzheimer/portal



Nenhum comentário:

Postar um comentário