sexta-feira, 29 de abril de 2016

Maio 2016 - Programação da Universidade Comunitária da Zona Oeste


Todos os meses o Instituto Rio divulga a programação mensal de atividades oferecidas pelas organizações e grupos que integram a Rede da Universidade Comunitária da Zona Oeste. Caso seu evento não esteja aqui, envie para gente. 

Maio está cheio de eventos para diversos públicos e interesses! Confira e ajude a divulgar nossa programação:


Na segunda-feira, dia 2, o Coletivo Elas da Corrente abre seu Projeto Curta Rio das Pedras com a Oficina de Comunicação Comunitária ministrada pela Gizele Martins, jornalista formada pela PUC-Rio e moradora da Maré. Para os interessados em participar do grupo de formação durante todo o ano, com a oficina de Cinema no dia 16/maio. Atenção: restam apenas 3 vagas!


Também no dia 2, abrem as inscrições do Curso de Intérprete de Libras, realizado pela Associação Beneficente Jurema Amor nas Mãos para Deficientes e Surdos. O Curso é de 80 horas e prepara intérpretes que atuarão, inclusive, nas futuras atividades da Universidade Comunitária. 


No dia 14, sábado, teremos um dia todo dedicado ao Encontro de Juventudes da Zona Oeste, realizado pelo Grupo Dinamizador da Universidade Comunitária da Zona Oeste, na sede da Unisuam, em Campo Grande. Se você tem mais de 15 anos, faça sua inscrição online até dia 06/maio: https://pt.surveymonkey.com/r/EncontrodeJuventudes


Após o Encontro de Juventudes, no sábado, dia 14, que tal participar do Sarau Pedra Poesia, do Grupo Mulheres de Pedra, em Pedra de Guaratiba? O Evento é aberto ao público.


Também aberto ao público temos a Apresentação de Esquetes sobre Cultura de Paz e Direitos Humanos, pelo Centro Cultural História Que Eu Conto. O evento do dia 24 de maio será na sede da parceira Associação Raízes de Gericinó, em Bangu.


Para a Oficina sobre Envelhecimento Humano, no dia 31 de maio, que será realizada pelo CEDISA - Centro Dia Santa Ana, é preciso fazer a inscrição a partir do dia 05/maio.




segunda-feira, 25 de abril de 2016

Venha se preparar para discutir sobre Raça e Juventude no Encontro de Juventudes da Zona Oeste:


O Encontro de Juventudes da Zona Oeste que acontecerá no dia 14 de maio de 2016 (sábado), das 9 às 17h, na sede da UNISUAM de Campo Grande. Nesta ocasião acontecerão grupos de discussão sobre os seguintes assuntos: Educação, trabalho e renda; Direito e acesso à cidade; Gênero e Raça; Segurança e bullying

Até a data do evento, o Instituto Rio está disponibilizando matérias e artigos sobre os assuntos a serem abordados, a fim de enriquecer o debate, fomentar a reflexão e contribuir com mais informações para toda a rede da Universidade Comunitária da Zona Oeste. 

A campanha Jovem Negro Vivo foi desenvolvida pela Anistia Internacional com o objetivo de mobilizar a sociedade sobre a situacão da juventude negra e romper com a indiferença. Disponibilizamos o conteúdo, textos imagens e vídeos da campanha, em nossa biblioteca comunitária.


Em 2012, 56.000 pessoas foram assassinadas no Brasil. Destas, 30.000 são jovens entre 15 a 29 anos e, desse total, 77% são negros. A maioria dos homicídios é praticado por armas de fogo, e menos de 8% dos casos chegam a ser julgados.

Apesar dos altíssimos índices de homicídio de jovens negros, o tema é em geral tratado com indiferença na agenda pública nacional. As consequências do preconceito e dos estereótipos negativos associados a estes jovens e aos territórios das favelas e das periferias devem ser amplamente debatidas e repudiadas.




Acesse o conteúdo completo da campanha em nossa BIBLIOTECA COMUNITÁRIA:
http://www.universidadecomunitariazo.com.br/p/biblioteca-comunitaria

Encontro de Juventudes da Zona Oeste

Data: 14/05/2016 Local: sede da UNISUAM de Campo Grande Horário: 09h às 17h30 Informações: institutorio@institutorio.org.br Faça sua inscrição online até dia 06 de maio de 2016 pelo link: https://pt.surveymonkey.com/r/EncontrodeJuventudes
Confirme presença no evento: https://www.facebook.com/events/982535045163570/


quarta-feira, 6 de abril de 2016

Universidade Comunitária da Zona Oeste: Reunião preparatória para o Encontro de Juventudes da Zona Oeste


A nova data para a reunião está confirmada para o dia 19/4, às 9h30, na UNISUAM da Taquara, na Rua Apiacás, 320 - Jacarepaguá.
A reunião tem objetivo de avançar com a preparação das atividades para o Encontro de Juventudes da Zona Oeste que acontecerá no dia 14 de maio de 2016 (sábado), das 9 às 17h, na sede da UNISUAM de Campo Grande.
O evento está sendo planejado de forma conjunta com os jovens, lideranças, organizações e grupos que integram a Rede da Universidade Comunitária da Zona Oeste a partir de duas reuniões preparatórias realizadas em 2015, nos meses de setembro e novembro.
O evento será permeado por apresentações culturais e contará com grupos de discussão sobre os seguintes assuntos: Educação, trabalho e renda; Direito e acesso à cidade; Gênero e Raça; Segurança e bullying. Os jovens relatores sistematizarão as principais propostas e contribuições do debate e depois apresentarão na plenária final. Além disso, eles farão a mobilização e divulgação do Encontro, que deve reunir cerca de 200 pessoas.
O evento contará com a participação de especialistas na área de juventude que contribuirão com o debate das propostas apresentadas, como o Ricardo Henriques, Diretor do Instituto Unibanco, que já confirmou presença. Os especialistas debaterão com os jovens relatores sobre os conteúdos discutidos nos grupos de trabalho durante a Plenária, tecendo comentários e provocando mais reflexões sobre os temas.
Ao final do encontro, haverá um documento produzido coletivamente pelas organizações que compõem a Rede da Universidade Comunitária da Zona Oeste, a Carta de Campo Grande, com os conteúdos, as propostas e os desdobramentos do evento. Será um importante momento para discutirmos questões essenciais para a juventude da Zona Oeste e pensar em estratégias conjuntas entre os parceiros para a construção de uma agenda pública, com perspectiva de integrar o planejamento Rio500 (o futuro da cidade para os próximos 50 anos: http://www.rio.rj.gov.br/web/guest/exibeconteudo?id=5532111 http://visaorio500.rio/)
Para a reunião preparatória do dia 19/04/2016, às 9h30, será essencial a presença dos relatores dos GTs e Comissão Cultural, indicados na reunião de 04/11/2015. A participação nesta reunião é aberta a todos os integrantes, mas a confirmação é necessária para nossa organização.
Lembrete:
Integrantes dos Comitês/Grupos de Trabalho
·          Comissão de Cultura para o evento: Viviane (PDE), Adilson (ACUCA), Neilson (ACUCA), Paulo (ISCE), Mirian (ASVI), Samira (Casa da Rua do Amor), Daniela (Mulheres de Pedra) e um representante do Defensores do Planeta.
Grupos de Trabalho:
·          Direito e Acesso à cidade (mobilidade): Talita (Defensores do Planeta) e Matheus
(ACUCA)
·          Gênero e Raça: Livia (Mulheres de Pedra) e Brendon (Vozes da África)
·          Educação: Kassiane (Unissuam) e Estefani (ASVI)
·          Segurança e bullying: Lidiane (Alfazendo) e Hendel (CCHC)


Visita de Mariane Maier Nunes às Iniciativas Sociais apoiadas pelo Instituto Rio

post instituto rio

O Instituto Rio, fundação membro da Rede Iberoamericana de FC, é uma fundação comunitária criada no ano 2000 com o objetivo de apoiar e fortalecer iniciativas que promovem o desenvolvimento social da Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro (Brasil). Há um pouco menos de 1 mês, eles me receberam para uma visita a iniciativas beneficiadas por eles e aqui estou para compartilhar com vocês essa experiência.

A fundação comunitária atua em um contexto onde há o menor IDH (índice de desenvolvimento humano) da cidade do Rio de Janeiro, e alto índice populacional. Em uma região cheia de desigualdades, o papel de uma fundação comunitária se torna fundamental para impulsionar iniciativas que trabalham para o desenvolvimento social, articulando com as necessidades das comunidades locais. Conheci duas dessas iniciativas que o Instituto Rio impulsiona, através de apoio financeiro e formação permanente de lideranças locais.

O ‘Grupo Mulheres de Pedra’, primeira iniciativa visitada, conta com 15 líderes comunitárias ativas. O grupo nasce com o objetivo de valorizar o protagonismo da mulher negra na construção de um outro mundo no qual as relações se tecem através da arte, da educação, da economia solidária e da diversidade cultural. Segundo Leila Souza Netto, uma das líderes do Grupo, as ações em arte e cultura como Saraus, documentários e artesanato, são um atrativo às meninas e mulheres da comunidade, que encontram no grupo um canal de apoio. Lá elas unem forças para enfrentar os desafios, estreitam suas relações e melhoram a autoestima. A articulação dessas mulheres, no meu ver, é a melhor forma que muitas têm de reivindicar seus direitos e influenciar políticas públicas mais inclusivas através de fóruns de bairro (que elas já participam) e de redes como a do Instituto Rio, que oferece ao Grupo Mulheres de Pedra, a Universidade Comunitária, uma rede de organizações da sociedade civil e grupos, que tem acesso a atividades de formação e dinâmicas horizontais de caráter colaborativo. Para Leila, a formação do Instituto Rio em gestão de projetos, mudou a forma delas otimizarem os recursos e se organizarem como grupo.

grupo mulheres de pedra

grupo mulheres de pedra2
Outra iniciativa beneficiada pelo Instituto é a ASVI-Associação Semente da Vida, que é a única organização a oferecer atividades de contra turno a crianças da comunidade de Cidade de Deus. Comunidade que sofre com temas como violência e acesso à educação, segundo Maria do Socorro Melo Brandão, líder da organização. A ASVI beneficia em torno de 50 crianças que recebem formação em cidadania, atividades para auto estima, esporte e dança. Graças ao apoio do Instituto Rio, a organização atualmente trabalha em um projeto de comunicação comunitária e acesso às tecnologias digitais voltadas para jovens incentivando o protagonismo juvenil. Para Maria, a Rede de organizações da Zona Oeste é fundamental para o desenvolvimento da ASVI. Quando mencionei a Leila e o Grupo Mulheres de Pedra, Maria comentou “já colaboramos muito juntas”.

Nosso desafio como Rede de Fundações Comunitárias é o de fortalecer organizações como o Instituto Rio, para que possam impulsionar ainda mais o desenvolvimento comunitário trabalhando para a redução de desigualdades em seus territórios.

fonte: http://fciberoamericanas.org/2016/03/31/visita-as-iniciativas-sociais-apoiadas-pelo-instituto-rio/